Bem-vindo ao STIPDAENIT   •   Fundado em 1985   •  
 
 
 
 

Notícias

DESPERDÍCIO DE ÁGUA TRATADA NO BRASIL É DE 37%

23/01/2015

Relatório do Serviço Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), ligado ao Ministério das Cidades, aponta que o Brasil desperdiça 37% da água tratada em 2013, índice muito acima do ideal, que seria abaixo de 20% de perdas. O principal motivo dos desperdícios, segundo o relatório, são  "vazamentos em adutoras, redes, ramais, conexões e reservatórios"  das prestadoras de serviços.

Entre as cinco regiões brasileiras, a campeã de desperdício é a Região Norte, com 50,8%, seguida pela Região Nordeste, que possui 45% de perdas - são as duas regiões acima da média nacional. Depois vêm as regiões Sul (35,1%), Centro-Oeste (33,4%) e Sudeste (33,4%).

Elaborado um ranking dos estados, Amapá aparece na primeira colocação, com 76,5% de desperdício. O Distrito Federal tem o menor índice (27,3%). O estado do Rio de Janeiro é o terceiro estado com o menor índice de desperdício (30,8%). São Paulo, que passa por uma grave crise hídrica, tem 34,3% de desperdício. Só nos 31 municípios atendidos pela Sabesp, a água desperdiçada chega a 32,8%, segundo o SNIS. Essa quantidade poderia abastecer 6 milhões de pessoas. Veja a classificação completa ao final da matéria.

É importante destacar, no entanto, que esses percentuais se referem exclusivamente à água tratada e pronta para distribuição. Ou seja, a água perdida durante o tratamento - que não é pouca - não entrou nessa contagem. Para se ter uma ideia, o tratamento de água na ETA Guandu desperdiça 48,3% da água captada, devido à poluição do Rio Guandu que chega por seus afluentes, os quais trazem esgoto da Baixada Fluminense, principalmente. Dessa forma, muita água é desperdiçada no processo de limpeza da que será tratada.

Com a escassez hídrica que vem afetando cidades em todo o país, é extremamente importante que os governos se preocupem com a gestão dos recursos. Essa seca deve servir de lição para que a água alcance o espaço de destaque que merece na discussão pública. Devemos cobrar que a gestão dos recursos hídricos seja responsável nas três esferas de governo (municipal, estadual e federal), pois não há mais tempo para desperdícios.

Classificação dos estados por índice de desperdício

Amapá (AP) 76,5
Roraima (RR) 59,7
Sergipe (SE) 59,3
Acre (AC) 55,9
Rio Grande do Norte (RN) 55,3
Pernambuco (PE) 53,7
Rondônia (RO) 52,8
Piauí (PI) 51,8
Pará (PA) 48,9
10º Mato Grosso (MT) 47,2
11º Amazonas (AM) 47
12º Alagoas (AL) 46,1
13º Bahia (BA) 41,6
14º Maranhão (MA) 37,8
15º Rio Grande do Sul (RS) 37,2
16º Ceará (CE) 36,5
17º Paraíba (PB) 36,2
18º Espírito Santo (ES) 34,4
19º Tocantins (TO) 34,3
20º São Paulo (SP) 34,3
21º Santa Catarina (SC) 33,7
22º Minas Gerais (MG) 33,5
23º Paraná (PR) 33,4
24º Mato Grosso do Sul (MS) 32,9
25º Rio de Janeiro (RJ) 30,8
26º Goiás (GO) 28,8
27º Distrito Federal (DF) 27,3
•  Veja outras notícias
 
 
Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Purificação e Distribuição de Água e em Serviços de Esgotos de Niterói
Rua São João, 392 - Centro - CEP 24020-040 - Niterói / RJ
Fone : (21) 2719-6240   /   E-mail: contato@stipdaenit.org.br